Monday, October 6

“— Você e eu nos parecemos – disse carinhosamente o jardineiro para Mary Lennox. — Ambos somos sozinhos e ranzinzas, não é mesmo?” (O Jardim Secreto - Frances H. Burnett)


Good day, Sera/Muthsera! Hoje escrevo do meu antigo quarto, depois de uma overdose de ar puro, farfalhar de árvores, abraços familiares e comida caseira. O tempo está passando tão rápido que quando desço as escadas tenho a impressão de que me depararei com a árvore de natal pronta na nossa sala. Viajei para votar e o retorno que deveria ter ocorrido ontem à tarde foi adiado devido ao meu apetite por nostalgia. Ficar aqui por dois dias já é o bastante para me fortalecer e renovar. Ontem alguns parentes vieram nos visitar e a prosa estava tão boa e divertida que foi realmente impossível arrumar minhas coisas e partir tão cedo. Não há nada melhor que vir pra casa e ser recebido com cuque caseiro e empadão vegetariano feito pela mãe! (Sem falar nos presentes que ganhei: dia das crianças?)

Além do barulho delicioso do vento soprando por entre os cedros, o clima é outra coisa que aumentou meu nível de serotonina: vento gelado e oscilações entre períodos nublados e aberturas de um azul pálido e sol dourado. Ficar de pijamas o dia todo, comendo, jogando e ouvindo música na minha sweet home por um final de semana inteiro me deixou com saudades do clima natalino, mas apesar de termos apenas mais dois meses de aula até as férias, eu não quero que o semestre acabe tão logo. Tenho me divertido muito com meus amigos e quero viver cada dia sem contar os dias para o recesso.

Mesmo com uma quantidade enorme de obrigações acadêmicas eu tenho me dedicado muito (não sem o sentimento de culpa) ao que gosto de fazer sem compromisso nenhum, leia-se “me acabar” no RPG, vasculhar as profundezas escuras do mundo online em busca de música boa e ler livros de literatura infantil e medieval, afinal de contas, preciso de minhas válvulas de escape! Há mais ou menos duas semanas visitei uma feira de livros e não pude deixar de adquirir (com desconto) uma edição de Alice no País das Maravilhas & Através do Espelho, do meu amado Lewis Carroll. Esse é definitivamente um livro para se ter na estante! E junto dele pretendo colocar Coraline e O Jardim Secreto, duas histórias encantadores que todos os fãs de Carroll deveriam ler. Cresci assistindo repetidamente tanto ao desenho quanto ao filme baseados no livro de Frances H. Burnett. Apesar de não ser tão bizarro quanto as criaturas presentes no mundo das maravilhas ou atrás da porta que Coraline atravessou, O Jardim Secreto tem lá seu clima sombrio.  A adaptação feita em 1993 foi a que cresci assistindo, o filme é lindo e vale a pena. Fiquei sabendo que o grandioso Guilhermo Del Toro produzirá uma nova adaptação, o engraçado é que não é difícil lembrar de O Labirinto do Fauno quando pensamos no clássico de Frances. Acredito que o filme estará em ótimas mãos!

Saturday, August 23

~Candy Brain~



A postagem de hoje é muito mais uma divulgação de uma banda que acabei de conhecer do que qualquer outra entrada de diário convencional. Também não deixa de ser uma ótima oportunidade para retomar as postagens sobre música que há tempos não são publicadas. Pois bem, com vocês Candy Brain!

Depois de tantas tentativas frustradas de encontrar algum artista que soasse razoavelmente parecido com a minha banda preferida de todos os tempos, eu tenho a alegria de finalmente ter encontrado o artista que me remeteu aos bosques violetas encantados da fase old school do The Birthday Massacre. Quem estiver familiarizado com os álbuns Imagica (entre outras demos) e Nothing & Nowhere vai sentir na pele o mesmo arrepio causado por esses dois discos adoráveis. Graças ao instrumental sintetizado docilmente à la anos 80 em combinação com guitarras pesadas e um vocal muito parecido com o da Chibi, o Candy Brain consegue criar a mesma atmosfera do típico Horror & Fantasy que vem sendo feito pelo The Birthday Massacre ao longo dos anos.

Formada em Nova York por Bunny R. Abbit , Tina Stichr, Ink-Bot e Rachel Zyats, a banda vem de 2011até o momento tocando em festivais alternativos locais e ganhando fama na cena alternativa. Infelizmente eles ainda não lançaram nada com exceção de algumas músicas soltas e suas versões demos. Como os fãs antenados devem estar sabendo, o The Birthday Massacre também está trabalhando em mais um disco, que segundo informações será lançado em novembro. O interessante é que pelo que andei pesquisando na página oficial do Candy Brain eles dividirão palco com o TBM em breve. Não é perfeito? 

Espero que com essa postagem eu consiga espalhar um pouquinho sobre a banda entre outros sonhadores que buscam trilhas sonoras para que assim possam voar “over clouds and twilight skies”, como diz a letra da canção The Dream do The Birthday Massacre.


~Precaution~


~The Inkwell~
     

~The Asylum~

Wednesday, July 2

Es gibt keinen Gott, es gibt kein Leben, sie werden alle sterben, ohne die Erlösung

Roteiro de férias I: Exposição de instrumentos medievais de tortura


Sim, finalmente estou de férias e consegui visitar esta belíssima exposição que já me escapou por entre os dedos inúmeras vezes. Não faz muito tempo que ela passou por Curitiba, mas a distância do local fez com que minha indolência superasse meu gosto por Idade Média. Dessa vez ela está passando por São Bento do Sul e eu descobri com antecedência e bem por acaso enquanto ia comprar cordas para o meu instrumento, já que o museu que está recebendo a exposição fica bem no caminho da loja que eu precisava ir. Fiquei tão empolgada que antes de fazer minha visita ouvi repetidamente a música Heretique da banda Tristania (para entrar no espírito da coisa). Não contente com isso, é claro que eu aproveitei a oportunidade para ir trajada à época com minha blusa preta aveludada de camponesa. Por incrível que pareça o pequeno museu que recebeu a exposição estava lotado para um domingo. Fiquei tão emocionada por estar diante daquelas relíquias históricas que as pessoas ao meu redor devem no mínimo ter pensado que sou louca – isso porque elas nem imaginam que passo grande parte dos meus dias ouvindo baladas medievais. 

Quanto ao que registrei, o que mais me chamou atenção foi a Cadeira da Inquisição, como segue na primeira foto. Ela foi trazida do Castelo de San Leo, próximo a Rimini, na Itália. Instrumento essencial usado pelo inquisidor, a cadeira era usada na Europa Central, especialmente em Nurembergue, onde é usada até 1846 durante regulares interrogatórios dos processos. O réu devia sentar-se nu e com o mínimo de movimento, as agulhas penetravam no corpo provocando efeitos terríveis. Em outras versões, a cadeira apresentava o assento de ferro, que podia ser aquecido até ficar em brasas. Não consegui registrar tudo ainda, mas pretendo fazer uma segunda visita no próximo mês. Entre outros instrumentos que podem ser vistos abaixo estão: Antiga guilhotina (depois da exposição me disseram que tinha um cesto ao lado onde caia a cabeça da pessoa, mas acho que fiquei tão impressionada com a guilhotina que não vi...); esmagador de cabeças, chibatas, ferramentas utilizadas para “salvar a alma do herege”, empalada, flauta do bagunceiro, entre outros.















Saturday, May 3

Série: Brechós de Curitiba Pt 1: O Brechó do Relógio

Já que meu blog está largado às traças e ao mofo mesmo eu tendo uma quantidade razoável de coisas atrasadas esperando para serem publicadas, vou aproveitar esta semana que estarei de folga na faculdade para começar de uma vez por todas minha série sobre brechós.  Dado meu gosto antigo e refinado, não é de se estranhar que eu tenha uma quedinha por brechós, por isso pretendo escrever sobre alguns brechós de Curitiba, focando principalmente naqueles localizados no Centro Histórico da cidade. Curitiba é uma cidade cheia de easter eggs para aqueles que gostam de se embrenhar pelos quatro cantos em caminhadas de final de tarde, de olhos arregalados à espreita de lojas interessantes que apenas os mais astutos encontram. Quando se fala em brechós então a coisa fica ainda mais empolgante. Após várias caminhadas na Rua Riachuelo eu encontrei a loja perfeita para iniciar essa série de postagens:

Conhecido como “O Brechó do Relógio”, sua localização estratégica torna o Brechó Curitiba ponto obrigatório na visita de qualquer pessoa que passe por ali. A fachada do prédio – onde antigamente funcionava a relojoaria Raeder – chama a atenção de longe, não só por sua arquitetura antiga e charmosa, mas também por um grande relógio trazido de Leipzig, Alemanha. A decoração surpreende qualquer fã de antiguidades: são bonecas antigas, louças, pinturas de diversas épocas, relógios e móveis restaurados por quem entende de decoração. 

O que achei particularmente interessante nessa loja é a facilidade com a qual se encontram peças para eventos históricos e teatrais. Em uma de minhas peregrinações em busca de alguma peça para usar no Torneio Medieval que terá na região metropolitana eu encontrei um lindo vestido preto de veludo. O corte dele se assemelha mais às roupas masculinas da época, mas não é nada que uma reforma não dê jeito. O mais surpreendente? Paguei apenas R$ 16 na peça! Para quem procura por anáguas, o Brechó Curitiba também é ponto obrigatório.

Atentem para o fato de que infelizmente nem tudo na loja está a venda! Quadros, mobília antiga e algumas bonecas são meramente objetos decorativos. Porém, há algumas exceções: Em uma de minhas primeiras visitas ao local me apaixonei por algumas bonecas com mais de cem anos de idade que estavam sendo vendidas para colecionadores (adoraria ter tirado foto delas para incrementar a postagem, mas os compradores foram mais rápidos do que eu). Lindos conjuntinhos de xícaras e píres de porcelana também estão expostos na vitrine, esperando que ladies à moda vitoriana passem em frente com suas sombrinhas e ao vê-las, acabem se lembrando que precisam de louças decoradas para seu chá da tarde... 


PS: Perdoem meu hábito de tremer na hora de bater a foto, ah, e também a péssima qualidade da minha câmera!



Detalhe do provador e da vitrine: decorados com obras de arte, lustre customizado e quadros de pop art:




Já pensou encontrar Homer Simpson, Fofão (e seu irmão(?)), E.T., Shreak, Fiona e um dos três porquinhos no mesmo lugar? No Brechó Curitiba isso é possível!



De acordo com algumas matérias que andei lendo sobre a loja, o proprietário pretende expandir o local transformando-o também em um café. Seria no mínimo interessante se além de oferecer café e doces o ambiente também funcionasse ao som de baladinhas retrô, eh? 

Para mais informações:
Endereço: Rua Riachuelo, 147 Centro – Curitiba –PR.
Fone: 9817-4047
Para vendas ou trocas, falar com Lili.

Thursday, March 6

I'm a murder tramp, birthday boy, I wore my black and white dress to the birthday massacre, birthday massacre, birthday


Eu faço parte do seleto grupo de pessoas que detestam carnaval, mas já que ele existe e faz parte da cultura do nosso país eu tento olhar de uma perspectiva otimista: pelo menos temos feriado prolongado. Carnaval tinha que servir para alguma coisa. Aproveitando que ontem foi ponto facultativo para alguns funcionários públicos e que no sábado não teremos aula de linguística, eu aproveitei para prolongar ainda mais o feriado transformando esse período numa espécie de semana do saco cheio. Não que eu já estivesse de saco cheio, afinal de contas nossas aulas mal começaram – e os rumores de greve estão às portas.

De qualquer forma – saco cheio ou não – usufruí o máximo que pude dessa semana viajando para a casa da minha família. Sexta-feira passada foi meu aniversário então assisti a última aula e vivi uma verdadeira odisséia para chegar em casa correndo, arrumar as malas, chamar taxi (o que estava difícil devido à greve da Urbs), conseguir passagem em vésperas de feriado e viajar. Graças à Odin tudo deu certo e consegui chegar em casa, dar um abraço em cada um e comer um pedaço de bolo – comer o bolo feito pela mãe/avó não tem preço, ainda mais no seu aniversário!


Fico contente em dizer que minhas últimas semanas foram recheadas de fofuras que eu nem imaginava que viriam ao meu encontro. No dia do meu aniversário fui com uma amiga dar uma garimpada nos brechós da rua Riachuelo, esperamos a aula terminar e aproveitamos que o dia estava deliciosamente cinza, assim partimos como duas hobbits em busca do tesouro escondido nas velhas construções da parte histórica de Curitiba. No caminho, um senhor de idade educadamente me parou e disse:

“Você me desculpe, mas fazia anos que eu não via uma mulher de luvas, muito lindo, mulher elegante é outra coisa!”.


Fiquei abismada por receber um elogio de forma tão educada, sem segundas intenções, vindo de um estranho com quem eu jamais esbarrarei novamente – mas que foi responsável por alegrar o dia do meu aniversário com palavras tão simples! Também fiquei muito feliz com os recadinhos fofos que recebi de amigos e conhecidos, alguns envolvendo mitologia nórdica, música e coisinhas macabras. Um deles que eu achei libertador foi o seguinte:


“Se gosta da chuva e do frio, das letrinhas e das alturas da UFPR...vc. já é feliz, e a cada ano ouse ser sempre mais! Parabéns cada dia...o ano inteirinho!!! Felicidades...”.


Tuesday, February 4

The witch is inside of me, her poison will wash away the memory

Since I couldn’t make up my mind whether I preferred elves to witches, I decided to blend them hoping to give life to a gracious female character for upcoming rpg campaigns and also for the book I (was/am – not sure) writing. I named this sorcerer-elf after my nickname (or maybe I was named after her…). She’s often the character present in my drawings, for every artist needs a muse who can inspire him! I have no interest in listing accomplishments for the new year like methodic people do as a ritual, but in 2014 I want to put some old projects on its feet, and the first thing to be done is to start my dream drawing/painting course! My collection of pencils, tortillions and ink will definitely be put to work as soon as I go back to Curitiba. According to my schedule I’ll have a few hours off before the translation class (Yeah! My translation course begins this semester!) which gives me half a morning to spend at some arts school near my college.

I fucking love witches!



For most of the vacation I watched a few movies that were on queue for the past 3 years or more, including Blair Witch I and II, Season of the Witch, Black Death, Robin Hood, Dark Water, Pan’s Labyrinth, Dark Shadows, Sinister, Mirrors, The Woman in Black and a few others. It was my mom who awoke my appetite for movies with the wonderful “Sack of Bones”, adaptation of Stephen King’s novel. Horror movies are great options especially when there’s a witch on the plot! 

Some funny things happened to me after hours in front of my computer playing, watching the movies above and reading about paganism and witchcraft:

Curious fact one: the combination of my pills and fantasy movies before going to bed  granted me with weird dreams involving the middle ages, witchcraft, zombies, me casting spells from Giants Citizen Kabuto and a nighttime flight with my victorian umbrella ‘.’

Curious fact two: One night I dreamed of a Blair Witch Project T-shirt. It was dark and I was flying again, holding a knife in search of victims!

Curious fact three: my family and friends are pretty concerned about my mental health :x

Curious fact four: I find it all amazing and am already searching for shirts to customize with the Blair Witch’s Voodoo symbol! :D

Now, if you feel like sharing the experience of psychotic dreams, go ahead! These are my favorite witch ladies and its respective movies:

The Salem Witches (or The Crucible)


The Witch Trials are intensily explored by the film industry, given its rich background involving sometimes the middle ages or the beginning of the modern age (the number of people accused of witchcraft in this time was far worse than that of the Middle Ages). Despite what people might imagine after consuming countless fantasy books, in New England the suspects of practicing magic weren’t connected to paganism like medieval folks, most just didn’t follow blindly what was demanded by the church. But indeed the most fascinating thing  that comes into our minds when we think of witches are the pagan rituals, gods and goddesses, Celtic mythology, etc. I was always curious to know how common men could catch such powerful women! They were suppose to cast spells to defend themselves, so how… In fact I wish they existed *-* Anyway, The Crucible is not about magic, but about witch trials against innocent people.  


Black Death

Oh this picture reveals exactly the stereotype in which I slot most witches: a beautiful young lady, with long hair, elegant dark garments, carrying a basket full of mushrooms and other herbs while she wanders in the woods looking like a defenseless lady… But try to touch her and wait until she casts a spell to crush you. This girl is the witch and necromancer in the medieval movie Black Death. The story begins with a few knights reaching a monastery in search of some monk who can lead them to a heathen village that seems to resist the plague. Believing that the locals have broken their faith and alliance with god, they’re gathering strength to kill the witch responsible for bringing paganism into the Christian England. Obs: Sean Bean is on the cast, and yes, he dies ._.


Blair Witch Project

If I was a witch I’d want to have Elly Kedward’s power along with the grace of Angelique from Dark Shadows. The so called "Blair Witch" actually never appeared in the movie, and it was certainly a fine ingredient to put our imagination to work. Her habitat and voodoos made out of wood is very proper for an elf, don’t you think?



Dark Shadows

Good movie, though I’m not a big fan of comedy. It is said that a man shouldn’t refuse a witch woman’s love, and if he does, he must suffer the consequences! The movie begins with the return of Barnabas Collins, a man who was turned into a creature of the night by the sweet Angelique. She was played by Eva Green, now do you want to know what is funny? A few years ago she incarnated in another witch: Serafina Pekkala from the Golden Compass. The only difference is that Serafina is more like a wicca girl, whereas Angelique is the devil himself. What I like about her? Watch the movie and see the way she moves her hands everytime she casts a spell. And what can she do? It’s wiser to ask: what can’t she do.


The Season of The Witch

The best movie ever!! I remember reading the reviews years ago before the release. At the time another medieval movie was in progress: Your Highness. Unfortunately this one was a totally waste of money and time, for it’s a stupid medieval version of American pie! The Season of the Witch focus on witch trials, but this time some of the women being chased are really sorcerers. And powerful ones. The story involves a knight (Nicolas Cage) who fought in the crusades and then deserted. Trying to serve the church again he accepts the mission of taking a girl accused of witchcraft to a monastery (very similar to Black Death, eh?). On the way strange things start to happen and the little faith he has left is put at stake. Great movie, and my favorite :D


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...