Tuesday, July 27

Helalyn Flowers


Nessas ultimas semanas eu estive na maior parte do meu tempo fechada no meu quarto fazendo resumos sobre citologia. Meu problema é que sou péssima em resumos e dificilmente consigo fazer um que caiba numa página (de caderno universitário). Isso me deixa frustrada, pois enquanto meus amigos do grupo de estudos avançam na matéria eu fico me apegando a detalhes minuciosos e nada relevantes. Eu tenho estudado com música ligada em um volume bem baixo. Já tentaram? É realmente muito bom e alivia o tédio. A questão é que dependendo de como me sinto no dia ou o assunto que estou vendo, música pode atrapalhar em vez de acalmar. Por isso, não tente com uma banda muito pesada e nem deixe o volume muito alto, use a música apenas como um som de fundo bem distante. Música clássica é uma ótima opção. Uma banda (na verdade uma dupla) que tenho ouvido muito de uns tempos pra cá é o Helalyn Flowers, e é sobre eles que eu vou falar hoje:


Helalyn Flowers é uma dupla Italiana de Synth Pop formada por Noemi Aurora e Max.  Resumir o som da banda em “Synth Pop” é meio limitado se for para analisar todas as influências musicais no trabalho deles. Uma ótima maneira de descrever o som dessa dupla maravilhosa seria citando o estilo anos 80 misturado com guitarras pesadas e música eletrônica. Eu particularmente acho o Helalyn Flowers muito parecido com o The Birthday Massacre, tanto no instrumental quanto no visual “Perky Goth”.

A discografia da banda não é muito extensa senão pelas edições especiais com remixes e os EPs. Em 2005 eles lançaram o mini CD intitulado “Disconnection” do qual veio o sucesso para a banda com a música “Alienate Me”. Em 2006 eles lançaram o EP “E-Race Generation”, que foi outro sucesso, especialmente com essa música que entrou para a coletânea “Fuck The Mainstream” do Vampire Freaks, ficando entre as preferidas e também garantindo para a dupla um lugar no topo dos ícones do Goth Rock. Depois de se tornarem um dos artistas mais visitados no Vampire Freaks, eles assinam com a gravadora Alfa Matrix em 2007 e lançam mais um EP “Plaestik”. No mesmo ano, eles finalmente lançam seu primeiro álbum, intitulado “A Voluntary Coincidence”, o qual realmente os levou para o topo de artistas da cena alternativa.

Recentemente eles lançaram seu segundo álbum “Stitches Of Eden”, que foi o que realmente me fez virar fã da dupla. Achei o som bem contagiante e como sou bem fã de bandas nesse estilo alegrinho, para mim foi amor a primeira escutada. Sem falar que notei uma grande melhora na voz da Noemi, o que fez com que eu começasse a escutar até as músicas mais antigas me acostumando com o vocal.

Segundo a banda, algumas das influências para este novo álbum foram: Gary Numan, Killing Joke, Eurythmics, Duran Duran, The Killers, Blondie, AFI, Marilyn Manson, Depeche Mode, The Cure, Deadsy e Human League. Eu sinceramente amo essa banda e escuto bastante, espero que um novo álbum venha logo e que seja tão bom quanto o ultimo. Deixo aqui algumas músicas como recomendação: Your Killer Toy, Unreal, Hybrid Moments, Friendly Strangers, Alice In My Chamber e Silent Conversation. 

Friday, July 16

Natalie Shau

  
Depois de muito tempo sem dar as caras por aqui eu resolvi aparecer. Sei que o Polka Dot está meio abandonado, mas o problema é que ultimamente não tenho tido muito tempo nem cabeça para escrever no meu blog. Como se isso já não fosse ruim o bastante, ainda fiquei doente e o frio aqui está devastador, o que significa que recentemente minha vida tem se resumido a um cobertor e uma xícara de chá quente. Mas não pensem que eu simplesmente deixarei meu blog mofando sem dar satisfação como já fiz com tantos outros. A verdade é que antes eu não tinha maturidade o bastante para desenvolver artigos de forma adequada e nem sabia direito como usar um blog. Certamente o que mais me atrapalhava era a falta de assunto. 

Hoje estou trazendo algumas imagens de uma artista lituana muito excêntrica chamada Natalie Shau. Ela é bem famosa e já trabalhou com alguns artistas, entre eles posso citar Kerli (credo) e Cradle of Filth. Você provavelmente já se deparou com obras dela por aí sem nem saber que eram dela e quem sabe algumas dessas obras estejam entre as imagens que postei abaixo. As características mais marcantes dos trabalhos dela são o horror, o macabro e o mórbido; misturados com contos de fada e “coisinhas fofas”. O que predomina nas criações dela são personagens femininos e geralmente de uma forma levemente sensual.

Fiquei apaixonada quando descobri as obras dela e já fui selecionando algumas para colocar aqui. Como eu queria ter quadros dela na parede do meu quarto! Vou ter que me contentar com a cópia de “O Grito” que minha tia está pintando. Como de costume, vou deixar as que mais gostei abaixo e o link para quem quiser ver as demais: http://natalieshau.carbonmade.com/ 

Tuesday, July 6

A Arte de Dominic Murphy

Hoje estou aqui de passagem apenas para apresentar um artista muito interessante: Dominic Murphy. Infelizmente não consegui encontrar nada sobre ele, por isso me resumo deixando algumas obras dele aqui e o site oficial para quem quiser conferir o resto. Ele faz pinturas no tema de Alice no País das Maravilhas de uma maneira mórbida e quase que mais maluca do que o próprio mundo criado por Lewis Carroll.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...