Saturday, May 6

Nova integrante da família: Flora!


Adotamos um gato! Meu sonho de ter uma bolinha ronronante finalmente se realizou! A adoção de um bichano pode parecer apenas um fato banal na vida de uma pessoa, mas certamente não no meu caso. Pra começo de conversa, sou alérgica (extremamente, embora tenha melhorado com os anos) e tenho uma paixão por gatos que nunca me fez de fato desistir de adotar um novamente. Já tivemos um gato siamês que acabou morrendo quando eu tinha quase 14 anos - no longínquo ano de 2004~ Fui muito apegada ao meu Tom e demorei pra superar sua passagem aos seis aninhos, devido a problemas renais. Tinha uma ligação muito forte com ele ao ponto de até hoje sonhar que estou com ele nos braços. Ele não era nosso único animalzinho, já que adotamos também um cachorro. O Teddy era umas três vezes o tamanho do Tom, mas morria de medo dele - Tom era de fato um gato muito invocado. Mas não tanto quanto nossa Florinha: não se engane com a fofura! Ela é marrenta que só! Devido ao comportamento que por vezes se assemelha ao de cachorro, por vezes ao do diabo da Tasmânia, ainda não descobrimos se ela é de fato um gato ou uma mistura dos três.

Flora foi abandonada com os irmãozinhos e separada da mãe quando ainda era um projeto de gato. Resgatada pelo grupo de proteção aos animais da minha cidade natal, foi acolhida por voluntárias que cuidaram até que ela ganhasse peso. Quando a levei pra casa ela ainda era minúscula! Não parava de miar e se mostrava bem carente, sempre querendo dormir no nosso pescoço. Sempre que ia visitar minha família encontrava uma Flora maior e mais marrenta. Ela é hiperativa, desde filhote dormia pouco para os padrões de um gato, além de apresentar comportamento agressivo. Apronta igual uma criança, por isso é preciso ficar de olho o tempo todo. Mesmo atacando com mordidas e garras afiadas, se agarrando nos nossos pés e se arrastando junto quando tentamos correr, Flora é uma criatura muito dócil (aham). Minha família e meu namorado vivem falando que ela puxou a dona. Confesso que não sei se eles se referem ao que expus acima ou ao fato de ela adorar yogurt grego. 

Hoje Florinha está com aproximadamente 6 meses de vida e com muita energia! Super mimada, ganhou tudo lilás e cor-de-rosa (caixinha de areia, potinho de água, caixa transportadora, ninho, etc), fora uma mantinha com estampa de oncinha. Flora está sendo uma verdadeira terapia pro pessoal lá de casa, o que me deixa muito feliz. Não demorou muito pra essa coisinha conquistar o coração de todos. Devo vê-la no próximo final de semana, aí farei questão de postar mais fotos dessa fofa!

Thursday, May 4

Voltando às atividades

Depois de mais de um ano sem mostrar as caras por aqui resolvi voltar a escrever. Esta postagem é mais pra contextualizar o retorno, explicar os motivos do meu sumiço e resumir em poucas linhas o que andei aprontando ao longo desse ano que estive distante. Pois bem, por onde começo?

O último ano foi muito cheio devido às atividades acadêmicas, problemas e mudanças pessoais, fechamento de algumas portas e consequente abertura de outras, etc. Se 2015 foi um divisor de águas na minha vida, 2016 foi o ano de botar as mudanças adquiridas em prática. Embora produtivo, 2016 foi de certo modo conturbado. Pra começar, foi o ano em que decidi encarar várias coisas de frente, como aquelas adoráveis disciplinas de literatura na faculdade. Decidi enfrentar todas (ou quase todas) de uma vez só, o que me rendeu um colapso ali por maio, curiosamente há exatamente um ano atrás. Graças a minha persistência e teimosia, saí vitoriosa, com um bom desempenho e ótimas notas (excetuando-se três malditos setes nas matérias de poesia - apenas uma no histórico). No segundo semestre, além de cursar o restante das obrigatórias e tentar eliminar de vez qualquer traço de literatura, estava me preparando pra um congresso, oficialmente o meu primeiro (fora da universidade). Pela primeira vez viajei para apresentar trabalho em um evento de outra universidade (UFSC) e conheci a adorável capital do meu estado, Florianópolis. 

Enquanto muita coisa acontecia, rolou a greve das universidades federais e as ocupações, o que nos impediu de ter aula por aproximadamente dois meses. Dessa forma, passamos de ano mas não de semestre, tendo que repor as aulas perdidas em pleno janeiro. Eu confesso que não achei ruim ter que ficar em função de trabalhos e mais trabalhos de aula em plenas férias de verão. Por dois motivos: em primeiro, por saber que devido aos problemas pessoais que tive no ano passado o melhor pra mim seria manter a cabeça ocupada com coisas importantes. Em segundo, por achar minha cidade natal tediosa demais pra passar as férias todas por lá. Ainda que seja legal passar um tempo com minha família, tenho sede pelo ritmo de uma cidade maior. 

Enfim: tudo isso pra dizer que meu ano foi academicamente muito produtivo, que abri mão do vegetarianismo por tempo indeterminado por questões de saúde, que eu e meu namorado decidimos que íamos virar mochileiros, que finalmente decidi o que ia pesquisar na monografia, que amadureci muito, que me reaproximei de velhos grandes amigos, que me afastei de algumas pessoas e me aproximei de outras, entre muitas coisas. Agora, voltando para 2017, eu diria que fiz uma longa jornada e estou feliz onde estou. Estou no último ano da faculdade, pesquisando igual uma louca um assunto que me fascina, com o orientador que eu queria, cheia de planos para o mestrado e finalmente me dedicando quase que exclusivamente ao assunto que amo: linguística. Fora as questões acadêmicas, muita coisa boa aconteceu em outras áreas da minha vida, mas isso é história para outras postagens.

Nos últimos tempos andei considerando voltar a escrever aqui, especialmente após eu mostrar a página pra uma amiga que ficou maravilhada com o blog. Ela meio que me incentivou a manter a página, ainda que com postagens escassas. Inicialmente até considerei retomar as atividades usando uma conta antiga minha em outra plataforma, em partes por já ter mudado muito meu estilo de postagens e sentir uma necessidade de iniciar algo com um tom que se aproxime mais do que sou hoje. Ainda não me decidi. Até lá seguirei utilizando esta página. Como minha rotina está bem cheia, não prometo postagens frequentes. Também não garanto que eu vá de fato permanecer ativa por aqui, podendo sumir novamente por um período indeterminado. 

~gremena

Thursday, April 28

Frost ❅

E o frio literalmente "desabou" do nada nas frias terras do sul! Com aquela onda terrível de calor que se abateu sobre nós na maior parte de abril era difícil acreditar nas promessas de inverno rigoroso que estavam sendo feitas para 2016. Mas depois da linda manhã de geada desta quinta-feira eu espero que o frio fique conosco para tomar um chá por longos dias! Neste momento, aqui é Curitiba a temperatura é de 8° C, com  mínimas e máximas que variam de 4° até 17° nos dois próximos dias. Em minha cidade natal, em Santa Catarina, hoje a temperatura chega a 0, no momento também está 8°. Nos próximos dois dias fica entre mínima de 1° e máxima de 17°. E para curtir esse frio: muito chá, quentão, chocolate quente e comida boa! Sem falar nos livros e no cobertor! Viva o outono!

~Geada em Santa Catarina!

Friday, April 22

Relançamento da demo ~Imagica do The Birthday Massacre!

Depois de passar grande parte do feriado aqui sentada estudando para as minhas provas de literatura, com três peças de tragédia grega para ler, um trabalho pra outra, os textos da minha pesquisa e os cantos da Odisseia ainda por ler, meu fluxo de concentração foi interrompido brevemente quando me deparei com esta notícia: finalmente minha banda preferida vai relançar suas músicas mais mágicas! Não contive a empolgação e vim aqui contar :D Demorou, mas o dia chegou... Acho que estive esperando por isso desde que comecei a ouvi-los em 2007 e percebi que aquele estilo mais vanguardista das fases ~Imagica e ~Nothing & Nowhere haviam sido deixados para trás. Na época a banda tinha acabado de lançar seu terceiro disco, Walking With Strangers, tendo já incorporado inovações em sua música. Daquele vocal distante, sussurrante e abafado ao qual estávamos tão acostumados nos primeiros lançamentos independentes, passamos a ter tanto o vocal quanto o instrumental mais "limpo", super bem produzido. Embora o som não tenha deixado de ser atmosférico, se distanciou muito daquele estilo darkwave oitentista produzido por bandas como The Frozen Autumn, Switchblade Symphony e Diva Destruction (clique nos nomes para ouvir). Eu faço parte daqueles fãs saudosos que morrem de amores por aquela ainda incipiente experimentação tão característica dos primeiros anos de qualquer banda que queira inovar. Sendo assim, é óbvio que vibrei quando os primeiros boatos desse lançamento vieram à tona. 


01. Over 
04. The Birthday Massacre
08. Play Dead 
09. Open Your Heart
10. From Out Of Nowhere
11. Dead

Quem quiser sentir um pouco dessa atmosfera da banda pode clicar em qualquer uma das músicas que linkei acima para ser direcionado ao youtube. OBSERVAÇÃO: o link são para as demos ou, no caso da Play Dead, a versão já remasterizada do Violet, tendo em vista que o disco ainda não foi lançado. 

Ps: confesso que senti falta da velvet :x

Tuesday, April 5

Bolo de Alface com Sementes de Sésamo! [vegan]

(imagem encontrada em: Na cozinha com Filipa)

Há muito vinha prometendo uma seção aqui no blog dedicada a receitas vegetarianas, tanto que estou devendo a minha receita de yogurt caseiro que aprendi a fazer nas últimas férias. Eu amo alimentação e cosméticos que dependam exclusivamente de vegetais (e eventualmente, minerais), opto por fazer minhas receitas com ingredientes naturais porque gosto de manuseá-los e saber a proveniência do que estou consumindo. Para mim a primeira responsabilidade é para com os animais e o meio ambiente, em segundo, para com a saúde. 

Antes de prosseguirmos, gostaria de esclarecer que a receita não é de minha autoria, é antes uma reformulação que fiz da que encontrei no site petiscos.com. Alterei a original e incluí apenas ingredientes de origem vegetal. Bem, informações dadas, vamos ao bolo!

~Ingredientes

2 colheres de chá de farinha de linhaça
2 colheres de sopa de água 
2 colheres de sopa de creme vegetal ou 1/2 xícara de óleo
2 xícaras de *açúcar cristal orgânico
4 xícaras de farinha (*preferencialmente a branca sem glúten!
1 xícara de sementes de sésamo (= gergelim)
1 maço de alface
1 colher de sopa de bicarbonato de sódio
2 colheres de cremor de tártaro [peu teus! já explico que bruxaria é essa '><]

Muito bem, povo e póva. Explicarei passo a passo o manuseio e propósito de cada um desses ingredientes, começando pela farinha de linhaça: 

~ Em um recipiente (pequeno, pode ser um copo) coloque as duas colheres de farinha de linhaça em duas de água e reserve por alguns minutos. Não precisa misturar os dois com uma colher, apenas espere a magia da química agir sozinha ;D Após um tempo você perceberá que a mistura obteve uma consistência muito parecida com a do ovo: são esses dois ingredientes super simples e saudáveis que substituem o ovo na liga das receitas.

~ Após obter os "ovos de linhaça", bata-os com o açúcar e o creme vegetal. Com creme vegetal me refiro a margarinas que não contém leite (como a soya), ou aquelas gorduras para usos confeiteiros que a gente vê nos mercados. 

~ Pique a alface em pequenos pedaços e leve-a ao liquidificador (a depender da potência não precisa acrescentar água, uma vez que a alface por si só já contém bastante água em sua composição).

~ Aos poucos vá acrescentando a farinha de trigo, as sementes e a alface batida na massa. Observe que não há necessidade de acrescentar água (desde que a alface tenha se tornado um suco pastoso!) 

~ Chegou a hora de colocar fermento! Pois bem, como todo mundo já deve ter percebido, é praticamente impossível encontrar uma marca de fermento que não seja transgênico. Uma antiga solução, que hoje em dia se mantém mofada nas páginas de velhos livros de culinária, é o velho e bom bicarbonato de sódio. Com a dependência que se criou ao longo dos anos pelos fermentos químicos vendidos no mercado,  muita gente têm medo de usá-lo. No entanto, não há coisa melhor que ele usado em sua forma mais pura (isto é, sem os produtos com os quais é misturado nos fermentos prontos). O problema dele é que se usado na quantia errada, deixa os alimentos com um gosto amargo, meio metálico. Mas como o mundo da química é maravilhoso, há uma forma de neutralizá-lo. Para tal, você precisará de uma colher (de chá) de bicarbonato e duas de cremor de tártaro: a proporção é sempre o dobro de cremor para cada colher de bicarbonato. 

ps: se você quiser fazer um vidrinho cheio para guardar, basta colocar fécula de batata na mistura para conservar. ;D

* Com relação à escolha da farinha e do açúcar: geralmente dou preferência ao mascavo nas minhas receitas, porém, assim como a farinha de trigo integral, sua cor se sobressai aos outros ingredientes, ficando marrom. Para não usar a farinha branca normal, uma opção é a sem glúten. É claro que o uso de qualquer um desses ingredientes, incluindo o fermento, não é obrigatório. Mas se você optar seguir a receita o resultado seráaaa:

~ Um belíssimo bolo verde!

(imagem encontrada em: doce recanto)

~ Amo cores, cores, cores e sabores! Quem me conhece sabe que eu estou sempre procurando dar cor aos pratos e demais receitas que preparo. Procurando colocar pimentões verdes, vermelhos e amarelos na mesma receita com cenoura e rabanete ralado com a casca! Adoro a cor amarela obtida pelo açafrão no arroz e o contraste que ele faz com as saladas verdes misturadas com o tomate! Fica tudo tão mais delicioso e colorido! Sem falar que o médico sempre diz que quanto mais colorido o prato, mais saudável! O mesmo vale para produtos cosméticos caseiros: argila verde, vermelha, branca, cinza, etc: cada cor, muitos benefícios! 

Espero que tenham gostado da receita e que consigam substituir os ingredientes por esses mais saudáveis. Muita coisa melhora na nossa saúde quando aprendemos a fazer nossos próprios produtos caseiros. Mais autonomia significa mais bem estar e paz, com nós mesmos e com a natureza.

Monday, February 22

~violinando


Voltando à ativa, achei que a melhor forma de colocar as coisas para funcionar depois desse longo recesso seria começar tirando meu violino do estojo, e junto dele, o sevcik – o melhor amigo dos violinistas :D Além de reiniciar meus estudos, brinquei de tirar a Jesus bleibet meine Freude de Bach e comecei a tirar a belíssima La danse macabre de Camille Saint-Saëns, um de meus concertos preferidos. Senti falta do meu violino, tanto que fiquei autisticamente nele quase que o tempo todo nos últimos dias. Digamos que o mês de fevereiro foi muito mais produtivo pra  mim, estive bem mais ativa, saí visitar minha família paterna (e que domingo agradável, hein!), testei várias das minhas receitas na cozinha, comecei a ouvir umas bandas novas (alcest ♥), andei organizando algumas bugigangas aqui no meu quarto e voltei a trabalhar na minha pesquisa. 

Outra boa notícia foi que minhas helenas finalmente floresceram! Num lugar menos esperado, ainda assim, floresceram. Trata-se de um pé de amor-perfeito totalmente preto! Trouxe na volta de uma de minhas visitas à cidade do meu namorado, também aqui de Santa Catarina. Flores negras, foi paixão à primeira vista! Acontece que as trouxe num vasinho e elas não viveram muito tempo. Minha avó tentou mudar de lugar, mas não adiantou. Há um tempo atrás notamos alguns pés nascendo nas pedras, em diversos lugares, coisa muito bonita de se ver! As apelidei de helenas, meu nome preferido. Nada a ver com seu nome científico, Viola cornuta. Mas bem, iniciamos o post falando sobre violino, então nada de mal em terminar falando de viola, afinal, ela soa mais doce que o violino '><.



No último sábado foi dia (na verdade, noitada) de rock'nroll. Fomos no evento de aniversário do  motoclub de nossa cidade, que acontece na fazenda evaristo, mesmo local do famoso psicodália - evento responsável por transformar Rio Negrinho em uma fuga pra quem quer fugir do carnaval. O evento "sem limites" desse sábado também atrai gente do país todo. O pessoal monta barraquinhas com comes e bebes, lojas de roupas, etc, mas a  maior atração são os shows com bandas que tocam sucessos dos anos 70, 80 e 90. O show estava do c*aralho! Valeu muito a nossa ida. A plateia estava animada e com uma energia muito boa! Algumas das bandas que rolaram por lá: Led Zeppelin, Talking Heads, ACDC, Credence, Pearl Jam, Alice in Chains (!), entre outras. Na foto abaixo é possível ver os brasoes dos  motoclubs que participaram.


Tenho tannntas coisinhas legais pra compartilhar~ Ainda no decorrer desta semana pretendo postar algumas imagens do meu kit bruxesco de temperos, bugigangas e alguma coisinha de decoração aqui do meu quarto, musiquinhas fofas e receitas de origem 100% vegetal! Entre elas: yogurte com leite de coco e agar agar, hambúrguer de grão de bico, entre outras coisas deliciosas! Quem sabe eu também comente alguma coisa sobre a hidratação com leite de coco e limão que fiz no meu cabelo e sobre a máscara de porcelana de dolomita pro rosto! * -* Mas por enquanto, fico por aqui com o concerto le danse macabre!

ps: sintam a personalidade da spalla! ;D

Sunday, January 17

~E a pesquisa continua!

Semana passada fiquei sabendo do Celsul 2016 (Círculo de Estudos Linguísticos do Sul) que acontecerá em setembro na UFSM, e imediatamente a ideia de apresentar minha pesquisa de iniciação científica lá surgiu em minha mente e ficou martelando. Não sosseguei até enviar um e-mail para a minha orientadora perguntando o que ela achava da ideia. Depois não sosseguei até ela me responder: fui logo procurando por mais banco de dados e bibliografia, até que ela respondeu dizendo achar a ideia ótima! Agora ninguém me segura! Acabei nem postando nada a respeito aqui, mas essa pesquisa (na qual trabalhei de 2014 até outubro do ano passado) me rendeu muita alegria e comemoração quando a apresentei no Evinci da UFPR, primeiro congresso científico do qual fiz parte na vida!  Meu trabalho foi muito bem recebido pela banca, o que me rendeu o primeiro lugar, com pontuação redondinha: 100! 

Motivos pelos quais fiquei explodindo de felicidade? Realização acadêmica? Sim, também, pois quero seguir carreira, seguir o rigor científico em minha busca por respostas e aprender muito. Mas não foi só a conquista acadêmica que fez desse um dos acontecimentos mais significativos da minha vida. Também teve as conquistas pessoais. Tudo vale ponto para a banca, incluindo, claro, a forma de se apresentar, a convicção com a qual o aluno explica os fenômenos encontrados e responde as perguntas. Respondi uma super bem, outra necessitava de muito mais leitura sobre um fenômeno específico. Fiquei feliz quando fui sentar depois da minha apresentação, minha orientadora virou pra mim e disse que eu fui muito bem, que falo com segurança e isso faz toda a diferença. Não consigo explicar o quão importante foi tudo isso pra mim. Venci muitas barreiras e  mostrei que levo sim jeito para a pesquisa! Quem já lê meu blog há mais tempo sabe que a princípio eu havia ingressado com interesse em tradução. Porém, eu com todo  meu metodismo queria trabalhar com tradução técnica, e não a literária. Acontece que universidades não oferecem formação técnica nisso. À medida que fui me distanciando da tradução, me aproximei cada vez mais da linguística. O fato é que desde a primeira aula que tive na faculdade (que foi de linguística I) já fiquei totalmente apaixonada por todo esse universo! 

Mas afinal o que raios é isso que você estuda? 


Ao contrário do que a maioria das pessoas não familiarizadas com a linguística tendem a pensar, aquisição da linguagem não se trata de alfabetização infantil, ensinar gramática na escola ou qualquer coisa do tipo. Esse estudo pesquisa como que crianças adquirem uma língua (qualquer que seja), quais mecanismos cerebrais/mentais estão envolvidos na aquisição. A teoria com a qual trabalho (Gerativa) acredita que a espécie humana possui um módulo da gramática que nos torna capazes de adquirir uma língua, o que nos difere dos demais animais. A linguística nesse aspecto se relaciona muito com a biologia, dando origem à biolinguística, área interdisciplinar onde se estuda comportamento animal, genética, síndromes interessantes que afetam ou não a linguagem, neuro e psicolinguística entre tantas outras coisas magníficas! Para quem se interessar: 

http://www.biolinguistics.eu/index.php/biolinguistics

Mas chega de papo! Agora é continuar minha pesquisa, buscar mais dados, fazer minhas anotações e que venha o Celsul! 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...