Sunday, January 17

~E a pesquisa continua!

Semana passada fiquei sabendo do Celsul 2016 (Círculo de Estudos Linguísticos do Sul) que acontecerá em setembro na UFSM, e imediatamente a ideia de apresentar minha pesquisa de iniciação científica lá surgiu em minha mente e ficou martelando. Não sosseguei até enviar um e-mail para a minha orientadora perguntando o que ela achava da ideia. Depois não sosseguei até ela me responder: fui logo procurando por mais banco de dados e bibliografia, até que ela respondeu dizendo achar a ideia ótima! Agora ninguém me segura! Acabei nem postando nada a respeito aqui, mas essa pesquisa (na qual trabalhei de 2014 até outubro do ano passado) me rendeu muita alegria e comemoração quando a apresentei no Evinci da UFPR, primeiro congresso científico do qual fiz parte na vida!  Meu trabalho foi muito bem recebido pela banca, o que me rendeu o primeiro lugar, com pontuação redondinha: 100! 

Motivos pelos quais fiquei explodindo de felicidade? Realização acadêmica? Sim, também, pois quero seguir carreira, seguir o rigor científico em minha busca por respostas e aprender muito. Mas não foi só a conquista acadêmica que fez desse um dos acontecimentos mais significativos da minha vida. Também teve as conquistas pessoais. Tudo vale ponto para a banca, incluindo, claro, a forma de se apresentar, a convicção com a qual o aluno explica os fenômenos encontrados e responde as perguntas. Respondi uma super bem, outra necessitava de muito mais leitura sobre um fenômeno específico. Fiquei feliz quando fui sentar depois da minha apresentação, minha orientadora virou pra mim e disse que eu fui muito bem, que falo com segurança e isso faz toda a diferença. Não consigo explicar o quão importante foi tudo isso pra mim. Venci muitas barreiras e  mostrei que levo sim jeito para a pesquisa! Quem já lê meu blog há mais tempo sabe que a princípio eu havia ingressado com interesse em tradução. Porém, eu com todo  meu metodismo queria trabalhar com tradução técnica, e não a literária. Acontece que universidades não oferecem formação técnica nisso. À medida que fui me distanciando da tradução, me aproximei cada vez mais da linguística. O fato é que desde a primeira aula que tive na faculdade (que foi de linguística I) já fiquei totalmente apaixonada por todo esse universo! 

Mas afinal o que raios é isso que você estuda? 


Ao contrário do que a maioria das pessoas não familiarizadas com a linguística tendem a pensar, aquisição da linguagem não se trata de alfabetização infantil, ensinar gramática na escola ou qualquer coisa do tipo. Esse estudo pesquisa como que crianças adquirem uma língua (qualquer que seja), quais mecanismos cerebrais/mentais estão envolvidos na aquisição. A teoria com a qual trabalho (Gerativa) acredita que a espécie humana possui um módulo da gramática que nos torna capazes de adquirir uma língua, o que nos difere dos demais animais. A linguística nesse aspecto se relaciona muito com a biologia, dando origem à biolinguística, área interdisciplinar onde se estuda comportamento animal, genética, síndromes interessantes que afetam ou não a linguagem, neuro e psicolinguística entre tantas outras coisas magníficas! Para quem se interessar: 

http://www.biolinguistics.eu/index.php/biolinguistics

Mas chega de papo! Agora é continuar minha pesquisa, buscar mais dados, fazer minhas anotações e que venha o Celsul! 

Saturday, January 2

~2016!

~Primeira postagem do ano! 

E eis que a sumida reaparece! É época de reencontros familiares, de comilanças e de sonhos que se renovam! Primeiramente gostaria de desejar um feliz ano novo aos leitores deste humilde blog. Apesar do meu teclado estar estragado (e o novo só chegará ali pelo dia quinze), me dei ao trabalho de escrever um textinho de ano novo até pra ver se a inspiração para novas postagens resolve dar as caras. Em segundo, gostaria de dizer que se mantive meu blog esse tempo todo mesmo sem acessá-lo, risco de eu acabar com ele de vez não há de ter, não acham? Pois bem, creio que a alternativa para não deixar tudo em branco é me ater a postagens breves, mais simples e rápidas. Não queria deletá-lo, ele tem sobrevivido ao longo de anos, entre diferentes fases da minha vida. Quem o acompanhou sabe o quanto ele mudou de cara, se adequando às minhas mudanças. Nos primeiros anos, tinhamos um blog "rococó" com fundo preto e postagens bem mais "gotiquinhas", agora ele é "neutro" e minimalista de fundo branco. Sim, é só um blog, mas vocês não têm noção do quanto ele refletiu minhas mudanças... 

Em primeiro lugar o fundo branco sem muitos detalhes visuais refletem minhas preferências atuais desde vestuário até estilo de vida (talvez a única coisa na qual eu não tenha mudado seja no quesito decoração de ambiente xD): definitivamente deixei o pretinho básico para trás. O que começou com a compra de uma peça ou outra de alguma cor diferente acabou por mudar completamente o tom do meu guarda-roupa. Resultado: de roupas pretas dos pés à cabeça passei a usar cinza, marrom, verde musgo e branco com preto. Nem mesmo as meias escaparam. Não sei explicar o que deu em mim, mas usar roupas escuras não mais faziam eu me sentir bem. Além disso, eu não estava mais com paciência pra me produzir dentro do estilo, com sainha combinando com uma blusinha específica (o que também me levou a usar mais calças), que por sua vez era combinado com meia-calça 7/8 de cerejinhas, que também acabava pedindo o uso de uma cinta-liga adequada... Ai, chega! '><

Mas espera, Gremena... Com isso você está dizendo que não gosta/é mais gótica? Bem, a resposta da primeira é: Não, continuo adorando e achando super lindo e fofo o visual gótico. Apenas não tenho mais paciência para me vestir como tal o tempo todo. Quanto à segunda, bem, essa renderia um papo bem mais longo, não é mesmo? Digamos que embora goste da subcultura e continue ouvindo sua boa música, eu não sinto mais a necessidade de assumir um rótulo, nem acho que seria legítimo de minha parte se eu fizesse isso. Gosto de música gótica nas suas mais variadas vertentes, mas também gosto muito (e creio que até em maior medida) de metal e bandas de rock que em nada se parecem com o gótico. Também gosto de música medieval, ethereal, folk e clássica. Não acho que o fato de eu ouvir meia duzia de bandas góticas façam de mim uma. O que acontece é que eu adoro o visual  tipicamente gótico, especialmente o vitoriano e o perky. Hoje em dia eu ando curtindo muito mais vestimentas inspiradas no imaginário medieval, algo que o pessoal anda chamando de strega fashion. Confesso não gostar muito desses rótulos, então prefiro me vestir com minhas roupinhas marrons e verde musgo feliz da vida sem compromisso. 

E para não ficar só no âmbito do vestuário, digo que também mudei meu modo de fazer diversas coisas: me tornei uma pessoa menos consumista (sobretudo no quesito compra de roupas), adquiri consciência sobre várias coisas que ignorava completamente antes, aprendi a substituir produtos industrializados por caseiros (me abstendo de produtos de origem animal), vi que vegetais orgânicos não são tão caros quanto eu acreditava, etc. Somando-se a tudo isso, eu mudei muito nesse último ano. Vi todo mundo reclamando de 2015 e desejando que ele acabasse logo, apesar disso me soar muito mais um clichê semelhante ao da uva passa, até entendo que possa ter sido um ano tenso pra maioria (na política pelo menos foi). Acho que 2015 foi um verdadeiro divisor de águas na minha vida. Muita coisa boa aconteceu pra mim, tive muitas conquistas e superações de coisas que me empacavam de um modo terrível desde sempre. O que vi nesse ano foi uma verdadeira quebra de barreiras, assisti a minha própria transformação, no meio da qual finalmente saí do casulo. Isso na vida pessoal, acadêmica, etc. Também foi um ano estressante em diversos momentos, isso por conta de minha vida acadêmica. 

Não fiz nenhuma lista com minhas metas pra esse ano, mas se tem coisas que pretendo mudar, essas coisas são: menos stress com as coisas da faculdade (o que pra mim é muito difícil, visto que fico muito tomada por essas questões devido ao modo árduo com o qual eu me cobro, combinado ao meu perfeccionismo extremo); menos redes sociais (por favor, pois cada vez tenho menos paciência pra esse tipo de coisa e o modo como as pessoas se comportam nessas redes - saudades, msn!); viajar! (já tenho planos de passar alguns finais de tarde na beira do mar em Floripa!)  e principalmente: mais pores do sol, mais natureza, mais mato! mais interior!  Mais insetos legais pra fotografar! ;DD Mais árvores, flores e magia! (foto 1: vista da janela do meu quarto. Foto 2: uma bruxinha parecida com uma folha seca).





E para finalizar o post, não posso deixar de contar a bela história por detrás da última foto: eis que eu me encontrava nessa mesma janela (da primeira foto) observando o fim de tarde, como é costumeiro de minha pessoa, quando algo cai no chão ao meu lado. Olhei assustada e vi essa belezinha caída perto dos meus pés. Provavelmente caiu do ninho em um de seus primeiros voos. Peguei ele com cuidado e segurei por um bom tempo em minhas mãos. Foi um momento muito especial, pois é muito difícil termos um pássaro nas mãos! Ele parecia tão indefeso, tentei dar água e farelos de pão, mas ele parecia assustado demais, que até defecou ><' Depois de um longo tempo paradinho sem saber o que fazer, ele abriu as asas e voou. Aparentemente estava desnorteado, visto que ficou um bom tempo parado aí onde a foto mostra. Queria ter tirado foto dele enquanto o tinha nas  mãos, mas não tinha ninguém pra bater a foto. Foi um acontecimento incrível, uma oportunidade incrível! Foi tão simbólico que até chorei. Hoje já faz quase um ano que aconteceu, mas foi um momento que vai ficar sem dúvidas pra sempre em minha memória!